As distorções do mercado ilegal (pirataria, produtos roubados e etc)

0
47
Mercado ilegal continua crescendo em São Paulo e contribui para desemprego
Mercado ilegal continua crescendo em São Paulo e contribui para desemprego

Ética e honestidade são sempre bem-vindas em qualquer atividade profissional. Mas nos deparamos diariamente com exemplos que passam longe do fair play, para usar a expressão do esporte sobre jogo limpo. No mundo dos negócios, uma das mais marcantes manifestações de deslealdade está no comércio ilegal de produtos. Esse tipo de prática movimentou R$ 13,2 bilhões no Estado de São Paulo em 2015, evidenciando uma trajetória ascendente já que em 2010 o valor foi de R$ 6,71 bilhões. Os números são do “Anuário 2016: Mercados Ilícitos Transnacionais em São Paulo”, produzido pela Fiesp.

O levantamento abrange nove setores: alimentos, automóveis, brinquedos, eletrônicos, higiene e perfumaria, medicamentos, químicos, tabaco e vestuário. Está incluído no estudo o comércio de produtos roubados, furtados, fruto de contrabando e pirataria.

A concorrência desleal distorce o mercado e causa prejuízos a todos: de acordo com o Anuário, em 2015 deixaram de ser criados 111,6 mil empregos com carteira assinada que levariam a uma geração de renda, entre salários e lucro, de R$ 3,02 bilhões. O governo federal perdeu R$ 2,81 bilhões em arrecadação, o bastante para arcar com 1.522 escolas de ensino básico ou 1.232 hospitais, por exemplo. O comércio ilícito também afasta investimentos e acarreta custos extras para quem empreende, além de trazer prejuízos sociais por ter relação direta com a criminalidade.

Tal mercado marginal deve ser combatido sem trégua. A legislação prevê multa, apreensão da mercadoria e até prisão dos envolvidos. Apesar disso, o aumento dos valores movimentados nesse “ramo” mostra que não faltam interessados em participar. É a mentalidade condenável dos adeptos da famigerada lei de Gérson, de “levar vantagem em tudo”; eles optam por um suposto caminho mais fácil ou mais barato e apostam na impunidade.

Viver na ilegalidade para burlar obrigações e tributação é um mau negócio. Por mais que existam falhas na fiscalização, o risco e a instabilidade são permanentes e mais cedo ou mais tarde a punição chega.

Jogar dentro das regras é indiscutivelmente a coisa certa. Só para se ter uma ideia, pesquisa do Sebrae-SP mostra que 55% dos que se regularizaram como Microempreendedor Individual (MEI) tiveram aumento no faturamento; 52% registraram melhora no controle financeiro e 54% disseram que houve ampliação de investimentos.

Claro que a burocracia e a alta carga de impostos no Brasil desestimulam e dificultam o empreendedorismo, mas não se justifica querer compensar com a ilegalidade.. O Sebrae-SP trabalha por um ambiente melhor para os pequenos negócios e condena qualquer tipo de conduta ilegal.

mm

O Econoleigo é um site sem “economês”, para aqueles que não conhecem essa língua. É por mim, Rodrigo Teixeira, alguém até então pouco interessado em números, mas agora fascinado em transformar economia em algo que até eu mesmo consiga compreender.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here