A importância do BNDES para a economia do Brasil

0
211

Criado em 1950, o BNDES está na boca de todos os brasileiros, mas você sabe como ele funciona? Hoje o Econoleigo vai te contar um pouco mais sobre isso.

A década de 50 foi um período de muita efervescência. O mundo ainda se lembrava dos horrores da Segunda Guerra e a Guerra Fria impulsionava os avanços científicos e tecnológicos.

Foi durante os anos 50 que aconteceram os primeiros Jogos Pan-Americanos, começaram as guerras da Coreia e do Vietnã, assinado o Pacto de Varsóvia e foram lançadas as sementes do que hoje é a União Europeia. No Brasil, o Tropicalismo e a Bossa Nova começavam a despontar como as grandes referências culturais do país. A TV Tupi foi inaugurada e aconteceu a I Bienal Internacional de Artes de São Paulo, hoje uma das maiores do mundo. Getúlio Vargas morreu por suicídio e Juscelino Kubitscheck foi eleito presidente do Brasil.

Foi nesse cenário de mudança que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social foi criado, para ser o órgão formulador e executor da política nacional do desenvolvimento econômico brasileiro.

O BNDES foi fundado em 1952, período em que mais de 50% da população brasileira era analfabeta e predominantemente rural. O banco teve um papel fundamental na industrialização do país ao focar seus investimentos em transporte e energia elétrica, inicialmente.

Observar as linhas de atuação do BNDES desde sua criação até o atual cenário de inovação em tecnologia e desenvolvimento sustentável é ter um retrato bem claro do desenvolvimento do país. Todos os segmentos da economia brasileira são contemplados pelo banco, que adota a política de investimento estratégico e preditivo, estimulando o desenvolvimento regional e de olho nos mercados externos.

As operações do BNDES impactam o brasileiro de forma indireta, uma vez que seu público alvo são empresas. Os recursos vêm de fontes governamentais, como o FAT, PIS-PASEP e Tesouro Nacional, e essa é uma das grandes questões para os críticos do funcionamento do banco. A verdade, no entanto, é que tanto para o Tribunal de Contas da União, quanto para estudiosos do tema, desde 2015 o BNDES tem feito consideráveis esforços para ser transparente em relação às suas operações.

É importante notar, no entanto, que essas operações não precisam de autorização prévia para serem realizadas, ao contrário de gastos com saúde ou educação, por exemplo. Essa é uma questão que deve ser debatida com cuidado, uma vez que em razão da legislação que assegura o sigilo fiscal e financeiro, não é possível ter acesso às análises de crédito dos tomadores de empréstimo.

Não existe, também, uma perspectiva de que os bancos privados venham competir com o BNDES, em razão das baixíssimas taxas cobradas pelo banco. Esse é mais um exemplo de como a concentração bancária prejudica toda a nossa sociedade.

Esse novelo apenas agora começou a ser desenrolado e é assim que você deve sentir ao saber sobre como funciona um dos principais bancos públicos do Brasil.

Novelo de linha sendo cortado por estilete

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here